Carreira

“Após 1 ano de governo, Trump vem mostrando que pretende cumprir promessa de reprimir imigração”

Após completar um ano no mandato da presidência dos Estados Unidos, Donald Trump continua pressionando mudanças na imigração americana. Entre os principais objetivos estão elevar o nível de pessoas que entram no país, de acordo com o seu nível de capacitação profissional. Essas medidas combinadas reduziriam a imigração legal para os EUA em até 50% num horizonte de 10 anos. Como argumento, ele diz que, ao reduzir a imigração de pessoas pouco capacitadas, estaria protegendo os trabalhadores americanos e os seus salários.

Trump também quer acabar com a loteria internacional de vistos de diversidade, limitar os familiares que podem ser incluídos em processos de emissões de vistos e também limitar – ou até extinguir – a admissão anual de refugiados nos EUA.

É um assunto polêmico e que tem sido muito discutido nos EUA desde a sua candidatura à presidência. “O que eu quero fazer é um plano de imigração abrangente, mas o nosso país e as nossas forças políticas ainda não estão preparados”, disse Trump, em julho.

Neste primeiro ano de governo, é notável que algumas frentes já mostram mudanças significativas, enquanto outras continuam sem muita novidade.

Tendo em vista as recentes ações tomadas pelo governo americano e as promessas de grandes mudanças na política de imigração, não dá para arriscar e não se preparar adequadamente para iniciar um processo de imigração e investimento para os EUA. É fundamental buscar ajuda especializada.

Vistos de trabalho com análises mais criteriosas, mas sem grandes mudanças em volume de aprovações

Em outubro, o Departamento de Imigração e Cidadania dos EUA pediu para que os seus oficiais aplicassem uma análise minuciosa na extensão e renovação dos vistos H1-B, que são emitidos para trabalhadores temporários que tem nível de educação e/ou experiência profissional específicos para vagas disponíveis no país que não são preenchidas por americanos. Com esta solicitação, renovações passarão pelo mesmo nível de rigor analítico que aplicações para novos vistos.

Os vistos L-1, que permitem que um empregador americano transfira um profissional executivo ou especializado de um dos seus escritórios afiliados no exterior para um dos seus escritórios nos EUA, mostraram uma pequena redução em aprovações, mas a mudança não é tão significante, pelo menos por enquanto.

Como exemplo, para o visto L-1B, que é designado a profissionais especializados, os três primeiros trimestres do ano fiscal de 2017 mostram uma aprovação de 73% das aplicações, em comparação a 75% em 2015 e 76% em 2016. É notável o aumento no rigor da análise desses processos.

Vistos de investidores mostram aumento significativo

Conhecido como o visto dos US$ 500 mil, o EB-5 requer um investimento de pelo menos US$ 500 mil diretamente em um negócio próprio, ou através de um Regional Center, visando a geração de emprego full-time para pelo menos 10 americanos. Assim, após aproximadamente 18 meses, o investidor obtém um green card temporário. É um visto caro, mas cujo interesse tem aumentado em 2017, com taxas de aprovação por volta de 92%, comparadas a 89% em 2015 e 81% em 2016.

O número de requisições destes vistos EB-5 vem crescendo desde 2008: de 1.258 petições recebidas em 2008 para 14.147 petições em 2016, um aumento de 1024% em 8 anos. O volume de processos pendentes do EB-5 também aumentou significativamente, mais que o dobro percentual nos mesmos 8 anos, atingindo 2336% de crescimento.

Além do tempo de processamento e análise ter aumentado, o Departamento de Cidadania e Imigração dos EUA, seguindo um mandato do presidente Donald Trump, anunciou que serão obrigatórias as entrevistas pessoais para investigar mais profundamente cada caso, a fim de evitar fraudes e aumentar a integridade do sistema de imigração. Tais mudanças estão deixando os processos mais longos e difíceis, mas as previsões indicam que os volumes de requisições continuarão aumentando durante o governo Trump.

Programa de loteria de vistos em risco

O programa conhecido como loteria de vistos, ou Programa de Diversidade de Vistos para Imigrantes, emite até 50.000 vistos por ano, que são sorteados de maneira aleatória entre pessoas de países com baixas taxas de imigração para os EUA e que aplicaram para um visto de entrada no país. Trump quer eliminar este programa e um dos seus argumentos é que esta forma de entrada não faz uma análise minuciosa da pessoa que recebe o direito. “Estamos lutando fortemente para termos uma imigração baseada no mérito, e não mais um sistema democrático de loteria. Devemos nos tornar MUITO mais duros (e espertos)”, tuitou em novembro, após um ataque terrorista em Nova Iorque feito por um imigrante de Uzbequistão que entrou nos EUA por esse sistema.

Prisões, deportações e mais pressão aos ilegais

Em apenas 5 dias de governo, Trump emitiu duas ordens executivas que colocariam mais pressão na situação de imigrantes ilegais no país – estima-se que existam 11 milhões atualmente. Os números do Serviço de Imigração e Fiscalização Aduaneiras dos EUA (ICE – Immigration and Customs Enforcement) mostram que até setembro de 2017, 211.068 pessoas foram deportadas. Em 2016, foram 240.255. Apesar dos números de deportações não terem crescido, o volume de prisões aumentou em 43%, comparado ao mesmo período do ano passado. O aumento das prisões e processos tem colocado uma pressão no sistema federal de imigração dos EUA, que já acumulam mais de 600.000 casos na fila para serem julgados.

Apesar das dificuldades mencionadas acima, a procura de interessados em viver e investir nos Estados Unidos aumentou em 50% em 2017, porque as pessoas entenderam que não vale mais a pena tentar mudar de maneira desorganizada e sem planejamento. Morar e investir nos EUA é uma realidade factível e atrativa, mas é preciso se preparar.

Por Jorge Botrel, sócio da JBJ Partners, empresa especializada em empreendedorismo, consultoria de negócios e expatriação para os EUA.

Comentários

comentários

TOP
Web Analytics