Engajamento

Como líderes de startups podem evitar o desengajamento da equipe

Um número preocupa os empreendedores de startups: segundo pesquisa da TinyPulse, divulgada neste ano, 70% dos funcionários estarão desengajados no terceiro ou quarto ano de existência da empresa. Por serem empresas novatas, e em sua maioria pequenas, pode ser que não tenham um gerente específico de RH e esta função acaba sendo executada pelo gerente financeiro ou gerente administrativo da empresa.

Se você é empreendedor de uma startup, é recomendável que comece a engajar seus funcionários o mais rápido possível e, principalmente, que o nível de engajamento não seja revertido com o passar do tempo. Ou seja, você tem todas as condições para que seus funcionários não estejam entre os 70% da pesquisa.

Entre as ações que provocam o desengajamento dos funcionários estão uma série de práticas ultrapassadas, como a aplicação de pesquisas anuais como única forma de avaliação da satisfação do profissional. Outra ação com grande tendência de falha é colocar funcionários sob responsabilidade de gestores que ocupam o cargo apenas por causa do tempo trabalhado na empresa ou por apresentarem bom desempenho apenas individualmente.

Agora vem a parte mais difícil: o que fazer, já que startups geralmente não têm a expertise suficiente (ou um profissional especializado) para gerenciar um setor de RH? Diante dessa dúvida, algumas dicas podem ajudá-lo no processo de engajamento.

– Crie um “laço” entre a empresa e os funcionários: pela questão óbvia de lidar com uma empresa nova e ter responsabilidades novas (algumas inéditas na carreira de empreendedor), é fácil e comum não se dar conta de que o empreendedor está focado na empresa e esquece-se da equipe. Ou até mesmo esquecer que eles são responsáveis por apresentar a empresa, fazer contatos com pessoas do mercado, fixar a marca, gerar negócios e, finalmente, consolidar a marca.

Como o perfil de uma startup permite um relacionamento interpessoal mais estreito, você pode criar um “laço” com os funcionários, os quais vão apreciar ter um chefe atencioso com o bem estar deles e que acompanha de perto a produtividade.

Assim, vão se sentir devidamente valorizados e “bem cuidados”. Consequentemente, estarão ainda mais engajados em suas demandas corporativas com objetivo de retribuir o ato, “cuidando bem” da sua empresa.

– Dê o exemplo: como empreendedor, independentemente do tempo de experiência na função, você tem uma visão clara do seu objetivo em termos de modelo de negócios, potenciais clientes ou potenciais verticais de mercado, faturamento e, claro, perfil de funcionário.

Mediante tantas atribuições, seja o mais cuidadoso para obter o melhor rendimento possível na função de gestor. Se você ficar abaixo da média em suas próprias atividades, não estará dando o exemplo correto para a equipe. Pelo contrário, você deve ser exemplar e servir de referência, talvez até gerando neles um sentimento de tê-lo como “espelho de desempenho profissional”.

Sua empresa e funcionários tornam-se a integração do que você faz e do que permite fazer. O engajamento é a consequência imediata desta integração.

– Dê condições de trabalho aos funcionários: equipamentos apropriados, treinamentos de capacitação e qualificação de acordo com o perfil da startup, ambiente agradável, tanto em termos de acomodação quanto de relacionamento, são alguns fatores básicos, porém de extrema importância, e que nem sempre recebem a devida prioridade.

Após proporcionar as condições ideais de trabalho à sua equipe, o passo seguinte é permanecer atento às demandas internas e deixar “portas abertas” para que os funcionários possam relatar quais recursos ainda não estão disponíveis ou precisam ser aperfeiçoados.

O resultado será um engajamento seguido de atuações estratégicas, visando sempre a evolução dos negócios da empresa e formando a relação mais harmoniosa possível entre empregador e empregado.

Essas iniciativas, que também podem ser definidas como “apoio aos funcionários”, são excelentes maneiras de aumentar o engajamento nas empresas, principalmente nas startups. Isso ajuda a reduzir a taxa de rotatividade, tornando os colaboradores aliados importantes para o sucesso da organização.

Por Juliane Yamaoka, gerente da Efix.

Comentários

comentários

Desde 1998 p&n é uma plataforma de conteúdos referência em Gestão de Pessoas e mundo do trabalho. Tanto nas versões web e impressa, com sua linha editorial independente, é focada na melhor entrega de informações e serviços para os profissionais de RH.

curte com a gente!

© 2017 Revista Profissional & Negócios. By Rockbuzz | Estratégia Digital

TOP
Web Analytics