Cultura

É hora para uma reação estrutural, consciente e de aprimoramento

Em tempos de crise, economia retraída e falta de disposição para investir e crescer, cabe às empresas saírem do marasmo e apertarem o “clic” da inteligência corporativa. Com este mote estratégico, o que se espera é que as organizações busquem aprimorar as competências estabelecendo ações de melhoria de gestão, controles, processos e do uso adequado dos recursos. Ou seja, o momento é propício para uma reação estrutural, consciente e de aprimoramento das metodologias internas.

Neste contexto, a palavra-chave é otimizar as práticas e ativar o conjunto de instrumentos disponíveis para atingir resultados que as levem a obter vantagem competitiva no negócio. Dessa maneira, buscar nos elementos internos esta capacitação é um dos principais desafios corporativos.

Mexer com os colaboradores e chamá-los à plena participação se delineia como uma das competências principais no processo de gestão. Nesta condição, o capital humano surge como diferencial no contexto empresarial. Lidar com suas expectativas, divergências e graus diferenciados de cultura, conhecimento e perfil é sem dúvida um grande desafio.

Para tanto, criar condições metodológicas e constantes de incentivo à participação, passa a ser uma das mais positivas reações à busca de soluções nas companhias de vanguarda. Estas atitudes resultam em novas e expressivas variações positivas do “animus” interno.

Sessões freqüentes de criatividade, baseadas na intensificação das sugestões dos colaboradores sobre suas atividades operacionais, procedimentos e dos negócios da empresa, podem gerar, com a devida sistematização, grandes contribuições de melhorias internas e de reconhecimento e valorização funcional. A chamada para a inovação pode levar a descobertas criativas simples e extremamente eficazes, evocadas à luz do estímulo da participação.

Em um mundo extremamente “comoditizado”, agir em sintonia com as regras do endomarketing levam as empresas a adotarem o princípio da “balança equilibrada” das expectativas, que os especialistas americanos chamam de “equity factor” (o fator reciprocidade).

Canais internos constituídos pontualmente para estas práticas, à luz de uma comunicação aberta, revelam que o seu sucesso dependerá do quanto as empresas estão preparadas para “ligar” os  dois agentes essenciais de vida e de sustentação organizacional: o funcionário e o cliente.

Os japoneses despertaram para estas ativações já no início da década de 80, com a aplicação dos famosos Círculos de Controle de Qualidade (CCQ’s), voltados principalmente às sugestões para questões operacionais e procedimentais.

A empresa hoje avança no sentido de criar os seus Núcleos de Gestão pela Inovação e Conhecimento (NUGIC’s) que acelerarão em muito suas novas descobertas por melhores iniciativas de gestão como um todo.

Na verdade, as práticas de estímulo à inovação e gestão do conhecimento com participação, elevarão em muito a auto-estima funcional, gerando um afinamento interno e um alinhamento final com a ponta mais expressiva do processo que é o cliente.

Muitas aplicações das teorias organizacionais demonstram que enxergar o fator humano na corporação é essencial para caracterizar novas performances advindas da apropriação de metodologias estimulantes que enfoquem a criatividade, as práticas inovadoras e diferenciadas para alcançarem resultados e o sucesso nos negócios.

Por Lívio Giosa, presidente executivo da ADVB; vice-presidente de Relações Institucionais da ANEFAC e presidente do CENAM.

Comentários

comentários

TOP
Web Analytics