Gestão

Persistência do desemprego no país intensifica a procura por profissionais com maior qualificação e estabilidade emocional

O restabelecimento da economia brasileira está acontecendo de maneira mais morosa do que o esperado e com isso o desemprego continua a crescer e hoje atinge 13,7 milhões de trabalhadores no país.

De acordo com dados recentes do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), nos três primeiros meses de 2018, o total de pessoas empregadas no setor privado com carteira de trabalho assinada, foi de 2,9 milhões, o que representa um declínio de 1,2% em relação ao trimestre antecessor. No mercado informal, o desemprego também aumentou. Entre os meses de janeiro e março deste ano, a quantidade de empregados no setor privado sem carteira de trabalho assinada (10,7 milhões de pessoas) recuou em 402 mil pessoas.

Com este panorama que ainda reflete as consequências da crise, o trabalhador atual precisa saber lidar com o desemprego e descobrir novas formas de conquistar um novo emprego. Para isso, a consultora e diretora da empresa Leaders HR – Consultants, Astrid Vieira, lista algumas das principais ações e atitudes que devem ser desenvolvidas e colocadas em prática por parte dos brasileiros que procuram se recolocar no mercado de trabalho.

Astrid explica que em consequência do desemprego e instabilidade econômica, muitas pessoas vêm desenvolvendo distúrbios emocionais e físicos que atrapalham significativamente em sua recolocação no mercado. “Para essas pessoas, é imprescindível que procurem pela ajuda profissional de um coach ou psicólogo para que sejam desenvolvidas defesas e resistência contra doenças como a síndrome do pânico, depressão, ansiedade, gastrite nervosa, dentre outras”, comenta.

A consultora também aconselha que o desempregado se mantenha ocupado durante o período ocioso. “No tempo em que se encontra sem emprego, os trabalhadores precisam permanecer ativos. Seja na procura por vagas de emprego, contato com headhunters, recrutadores e consultores de recursos humanos, ou mesmo, na participação em cursos, feiras, congressos, conferências e palestras. O importante é adquirir novos conhecimentos e habilidades, e não se abater ou desenvolver algum problema de saúde”, pontua.

Se manter flexível e apto a trabalhar em áreas que não contemplem exatamente o campo de atuação usual ou ideal; saber organizar o próprio tempo; aprender a equilibrar os gastos; aprimorar sua capacitação e realizar algum trabalho voluntário, são algumas atitudes, que de acordo com Astrid Vieira, podem ajudar o trabalhador a enfrentar o desemprego e acelerar sua retomada profissional.

Segundo Astrid, ao longo do momento de desocupação, existem várias vias a serem seguidas por parte dos profissionais. Grande parte dos profissionais que se encontram desempregados, vem procurando pela ajuda de empresas de recolocação profissional, onde recebem apoio e acompanhamento de carreira. “Hoje trabalho com profissionais de diversos segmentos, dentre eles, consigo observar maior chance de recolocação nas Áreas comercial, compras, financeira, segurança do trabalho; e nos Segmentos, de serviços, varejo, mineração, construção civil, instituição financeira e entidades de classe”, aponta.

Para as pessoas que procuram abrir um negócio próprio, Astrid explica que é preciso investir em cursos de gestão e empreendedorismo, pois todas os problemas e benefícios desse novo investimento devem ser conhecidos. “Já para as pessoas que não querem ser empresários, mas querem atuar como colaboradores para outras empresas, é necessário que desenvolvam uma rede profissional de relacionamentos que seja eficiente, sólida e equilibrada”, conclui.

Comentários

comentários

TOP
Web Analytics